Background Socil 3

Malta Cleyton

PIB do agronegócio de SP representa 14% do total do Estado, mostra estudo da Fiesp

12.11 | Notícias
siteeeee

Levantamento mensura a renda gerada na produção de insumos para agropecuária, na atividade de produção primária, industrialização e serviços ligados ao agronegócio em São Paulo
 
O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio paulista aumentou para R$ 213 bilhões em 2013 versus R$ 212 bilhões em 2012, o equivalente a variação positiva de 0,6%, mostra pesquisa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) em parceria com o Centro de Estudos e Pesquisas em Economia Aplicada da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq/USP).
 
O levantamento apura a geração de renda e riquezas de setores como o de insumos, incluindo os defensivos agrícolas, fertilizantes, máquinas e implementos, nutrição e saúde animal e óleo diesel.
 
A pesquisa também mensura o PIB da produção agropecuária, em relação às mais diferentes culturas, da agroindústria, ou seja, os fabricantes de massas alimentícias, celulose e papel, suco de laranja, açúcar e etanol, laticínios, vestuário e do segmento de serviços, que, entre outras atividades, inclui comércio, transporte, instituições de financiamento e de seguros diretamente ligados ao agronegócio.
 
“Em relação aos resultados, chama a atenção a grande participação da indústria na composição do PIB do setor”, destaca o gerente do Departamento do Agronegócio (Deagro) da Fiesp, Antonio Carlos Costa. “Somente a indústria, considerando os segmentos de insumos e de processamento somadas, representam praticamente a metade do PIB, ou 48%”, conclui Costa.
 
A participação do setor de insumos no PIB de 2013 foi de 6% do total, enquanto o segmento de serviços deteve 43%, seguido pela agroindústria, com 41%, e pela agropecuária com 10%. O PIB do setor de insumos em 2013 foi de R$ 13 bilhões, um incremento de 4% na comparação com 2012. Já a agroindústria registrou um PIB de R$ 88 bilhões no ano passado, 1% superior ao registrado em 2012. A mesma variação percentual foi anotada no PIB do segmento de serviços, que alcançou um montante de R$ 91,5 bilhões.
 
O agronegócio paulista representa 14% do PIB do estado de São Paulo e 20% do PIB do agronegócio do país. O segmento gera cerca de 15% dos empregos da economia paulista, o que significa mais de dois milhões de postos de trabalho.
 
A atividade de serviços empregou 47% do total de trabalhadores do agronegócio em 2013, enquanto a agroindústria foi responsável por 35% das vagas, seguida pela agropecuária, com 16%. Já o segmento de insumos empregou 3% do total.
 
 
Trajetória do PIB
 
Embora apresente crescimento de 0,6% em 2013 ante 2012, o PIB do agronegócio paulista já apresentou níveis mais elevados em anos anteriores.
 
Em 2010, por exemplo, o indicador chegou a R$ 221 bilhões, reduzindo para R$ 218 bilhões em 2011 e R$ 212 bilhões em 2012.
 
De uma forma geral, observa o gerente do Deagro/Fiesp, se avaliados os resultados desde 2008, é possível verificar uma clara tendência de queda. “O que demonstra que o agronegócio do Estado andou na contramão do Brasil, que experimentou, desde 2007, um ciclo muito positivo de alta de preços de grãos”, explica Costa.
 
“O resultado de São Paulo foi fortemente influenciado pela crise do setor sucroenergético e também pela laranja, que apresentaram desempenho negativo nos últimos anos. É possível que, para 2015, haja um esboço de recuperação, pela melhora, ainda que insuficiente, do cenário para o etanol, em razão do esperado reajuste dos preços da gasolina e do açúcar, por uma melhora na relação estoque/consumo internacional, além das proteínas animais”, complementa o gerente do Deagro/Fiesp.
 
Fonte: Revista feed&food

Invivo